Veco Noticias

Covid: Lotado, HU de Maringá fecha pronto atendimento de pacientes com sintomas respiratórios


Comunicado assinado pela superintendente do hospital diz que pacientes estão intubados na sala de emergência e que unidade não tem mais como receber pacientes. Ala segue aberta apenas para pacientes remanejados pela Central de Regulação. Paraná atingiu o recorde de pessoas internadas com Covid-19 neste sábado (29)
Reprodução/RPC
O Hospital Universitário (HU) de Maringá, no norte do Paraná, emitiu um alerta neste sábado (29) informando que fechou o pronto atendimento para pacientes com sintomas respiratórios, e que passa a atender apenas pacientes com Covid-19 encaminhados pela Central de Regulação de Leitos.
O comunicado, assinado pela superintendente do hospital, Elisabete Mitiko Kobayashi, diz que a unidade está com a “capacidade plena esgotada”.
De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), o hospital está com os 20 leitos de UTI e 20 leitos de enfermaria da ala Covid ocupados.
A macrorregião noroeste, onde está localizada Maringá, está com ocupação de 98% dos leitos de UTI do SUS para Covid, com 257 dos 262 leitos ocupados.
O Paraná atingiu o recorde de pessoas internadas com Covid-19 ou suspeita da doença neste sábado (29), com 5.925 pessoas internadas. O número é o maior de toda a pandemia.
“No momento estamos operando com capacidade acima de nosso limite, com vários pacientes entubados em nossa sala de emergência Covid e sem condições de receber mais pacientes”, diz o alerta.
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
ACOMPANHE: Média móvel de mortes e casos no estado
VACINAÇÃO NO PARANÁ: Veja perguntas e respostas
O alerta informa que a demanda tem aumentado e que o hospital não tem profissionais de saúde, leitos e medicamentos suficientes para atender todos os pacientes que chegam ao local.
O informe também diz que o hospital está enfrentando dificuldades com repasse financeiro para a demanda de pacientes com Covid.
“Temos problemas para manter estoques suficientes de medicamentos e materiais, devido aos recursos insuficientes e em parte devido ao desabastecimento dos fornecedores em nível nacional”, diz o comunicado.
O hospital segue atendendo pacientes de outras emergências, como traumas.
VÍDEOS: Mais assistidos do G1 PR
Veja mais notícias da região em G1 Norte e Noroeste.

Rolar para cima